Mahavidya Yoga

Yoga e Treinamento Autógeno 1a parte
por Flávia Venturoli Miranda  
19/02/2011
Aqui no ocidente, usamos várias técnicas de relaxamento ao final da aula de yoga. Uma dessas técnicas, criada pelo neurologista alemão Johannes Heinrich Schultz em meados dos anos de 1930, é chamada de Treinamento Autógeno, ou  T.A simplesmente.
Chama-se Treinamento, porque se deve praticar com assiduidade para conquistar os objetivos propostos. Chama-se Autógeno, porque, após aprender esse método através de um professor ou instrutor apto, o próprio praticante pode fazê-lo sozinho (auto = si próprio + geno = gerar), ou seja ele mesmo se conduz ao relaxamento. A autonomia para alcançar o relaxamento do Treinamento Autógeno faz que alguns autores o associem a uma auto-hipnose. Segundo Hossri (1970), o T. A. pode ser aprendido em grupo para que cada um, treine por si.
 
Como qualquer técnica de relaxamento, o T.A. é usado com a finalidade de obter relaxamento físico e mental, o que auxilia no combate e prevenção do cansaço, ansiedade, tensão e estresse. Em seu livro sobre T.A., Hossri demonstra graficamente como a tensão emocional afeta-nos e como o T.A. pode ajudar do reestabelecimento do equilíbrio.
Schultz vai mais além, ensina que o T.A. pode ser usado em níveis mais avançados até como prática de autoconhecimento. Por isso, é uma prática utilizada por psicólogos e psicanalistas, em seções individuais, nas quais as experiências vivenciadas durante o T.A. são analisadas.
 
Assim há 2 níveis do Treinamento Autógeno, que devem ser alcançados gradativamente. Portanto, não se deve, pular etapas:
  1. nível básico com 6 etapas., cujo objetivo é o relaxamento psíquico e corporal,
  2. nível avançado com 7 etapas, que trabalha com a imaginação e tem por objetivo o autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal.
 
O T.A., no nível básico, se baseia no exercício de autoindução do relaxamento de vários sistemas do corpo (motor, vascular, cardíaco, respiratório, digestório, neurológico). Durante uma aula de yoga, uso apenas o T.A. básico que é o suficiente para se alcançar o bem-estar procurado pela grande maioria dos alunos.
 
Interessante notar, como já o fez Schultz, que no Treinamento Autógeno há várias semelhanças com o yoga. Vou resumidamente enumerar algumas que encontrei: 
  1. O treino com dedicação e sem crítica nem julgamento é a própria frase do Y.S. I.12 de Patanjali: “A prática {abhyasa} e o desapego {vairagya} conduzem à cessão (dos turbilhões da mente).”
  2. A prática do T.A. também se assemelha o que é necessário para ação do yoga {kriya yoga}, descrita no YS II.1: disciplina {tapas}, auto-estudo {svadhyaya}, e “auto-entrega” de se permitir relaxar {ishvara pranidhana}.
  3. Inicia-se o relaxamento {shaithilya} ao permanecer em uma postura estável e confortável (asana - YS II.46 e 47), ex: deitado ou sentado em uma poltrona.
  4. O T. A. básico utiliza o foco sensorial no corpo, que em si é um treino para o domínio das sensações (pratyahara - YS.55).
  5. Ao manter a atenção em cada parte do corpo e em cada etapa da condução (ou da autocondução) pratica-se a concentração (dharana - YS III.1 e 13), cujo trabalho mental produz uma comutação organísmica (segundo Hossri).
  6. No T.A. avançado as descrições das práticas são muito semelhantes às meditações com visualização, sentimentos e símbolos (como ocorre no samyama do yoga  - YS III.17)
  7. Então vamos a prática!
     
    veja a próxima postagem
     

 

Bibliografia

 

SCHULTZ, J. H. O Treinamento Autógeno. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1ª ed. brasileira, 1967

HOSSRI, Cesário Morey. Treinamento Autógeno e Equilíbrio Psicotônico. São Paulo: Editora Mestre Jou, 2ª ed. 1970

Patanjali, Yoga Sutra

Rua Dona Leopoldina, 239
próximo ao metrô Alto do Ipiranga

Profa Flavia   11 98430-8509